no mínimo

no mínimo derrubar tua porta
invadir teu quarto
te deixar sem cara
te calar.

calar tudo, menos o teu olhar.

percorrer tua boca
descobrir teu gosto
cuidar teu sono
respirar teu ar
no mínimo te tocar.

escutar teu som
derreter no teu cheiro
perder os sentidos
envolver, enlaçar

no mínimo me encontrar.

um tapa na cara de realidade

que casca é essa? é mesmo e apenas uma casca.
tão bem construída, tão bem conservada, tão bem instruída e tão… oca.
canso de me escutar, canso de repetir, canso de não ouvir.
canso de levar só a casca à sério. e de acabar descascando sozinha nos mesmos lugares.

cansei da falsa força, da mentira da autossegurança, de esconder no mais (pro)fundo a fragilidade. quero apenas sentar, chorar, gemer e soluçar. e foda-se o resto. quantas vezes não temos vontade disso? tão simples, tão evitado, tão necessário.

mas a tristeza afasta né? e eu também tô cansada de eu mesma me afastar, me encasular, de aparentar uma suposta leveza. tão leve que quando o peso vem à tona eu não aguento e caio. eu não seguro.

quanto de buraco eu ainda tenho no meu mundo?